Psicodélico: Entrevista com Daniel Siebert Speaks, realizado por Will Beifuss.

domingo, 6 de maio de 2007

Entrevista com Daniel Siebert Speaks, realizado por Will Beifuss.

Entrevista editada na revista The Entheogen Review. Nº. 3

Will: Desde quando você passou a se interessar por Salvia divinorum?

Daniel: Talvez seja mais apropriado eu concertar a pergunta, "Desde quando a Salvia divinorum passou a se interessar por mim?" Eu encontrei primeiramente uma descrição da Salvia divinorum em 1973 em um pequeno livro chamado "Legal Highs", o qual descrevia que Salvia divinorum era muito similar com psilocibina, mas com efeito mais curto. Isso chamou imediatamente minha atenção, já que na epoca eu era um jovem adolescente "hip", com muita curiosidade em psicodélicos, e a comparação com psilocibina era sedutora. Eu provavelmente teria experimentado imediatamente se eu a tivesse em mãos, mas a Salvia divinorum era muito rara e difícil de se obter. A Igreja da Árvore da Vida (Tree of Life) tinha uma planta grande e oferecia cortes enraizados como um premio para doações de U$100,00 ou mais para a igreja, mas esta quantia era muito maior do que eu poderia ter naquela epoca. Entretanto, eu fiquei interessado e escrevi para a Igreja tendo obter mais informações, mas não recebi nada.

Só nos anos 80 que eu vim a cruzar com a planta de novo, eu estava procurando no catalogo de sementes da companhia The Redwood City e percebi que eles estavam vendendo mudas de Salvia divinorum. Eu acho que cobravam cerca de U$25,00 na epoca, e eu comprei uma. Infelizmente a planta morreu em poucos dias depois deu a recebe-la. Cerca de um ano depois, eu fui a uma palestra do Terence McKenna perto de Los Angeles. Eu percebi um homem na platéia que estava carregando um vaso com Salvia divinorum. Fui até ele e me apresentei. Ele ficou surpreso por eu ter reconheido essa rara plantinha e me contou que estava tendo sucesso em cultiva-la. A planta que ele estava carregando era uma "reserva" que ele trouxe, então poderia compartilha-la com outras pessoas. Ele quebrou um galho e me deu. Cheguei em casa com o galho murcho e sem esperanças, mas eu consegui reanima-lo colocando-o em um copo de água e espirrando água com um spray frequentemente. Posteriormente a planta enraizou e eu a plantei em um vaso, que eu deixei numa pequena estufa que eu havia comprado.

Enquanto a planta crescia eu fiz algumas pesquisas. Depois de perguntar por ai, descobri que várias pessoas já haviam experimentado a Salvia divinorum. Todas me pareceram não impressionadas com os efeitos (ou a falta de) e pareceram também achar que não valia a pena. Muitas pessoas tem atualmente a opinião que a Salvia divinorum não é psicoátiva e atribuem os efeitos obtidos a um "efeito placebo". No entanto, uma das pessoas que eu falei, foi Kat Harrison. Ela mencionou que sua amiga, a antropologista Bret Blosser, tinha experimentado Salvia divinorum sob a direção de um xamã Mazateca e teve uma forte experiência visionária. Aparentemente ele a intruiu a comer 13 pares de folhas que ele primeiramente enrolou na forma de um charuto.

Depois de cerca de um ano, a planta que eu obti estava batendo no teto da minha então lotada estufa, e estava sofrendo sérias infestacões de insetos. Eu decidi remove-la para fora da estufa, na esperança que pudesse controlar esse problema mais fácilmente com a planta do lado de fora. Quase imediatamente que eu movi o vaso, a planta se encurvou e o caule principal partil perto da base, uns poucos centímetros do solo. Tentando me recuperar desta situação, eu salvei alguns cortes da planta caida e coletei todas as folhas que estava livres de insetos. Eu embalei as folhas em papel-toalha molhado e então coloquei-as numa sacola plástica dentro da geladeira, na esperança de que continuariam frescas até eu encontrar uma oportunidade para experimenta-las. Nesta epoca eu acreditava que a Salvia divinorum era psicoativa somente quando consumida as folhas frescas. As folhas secas eram para mim completamente inativas.

Finalmente, após cerca de uma semana eu decidi experimenta-la com mais dois amigos. Nós decidimos tentar experimenta-las no pátio ao anoitecer, ingerimos da mesma maneira que a Blosser. Contamos 26 folhas, enrolamos na forma de um charuto e começamos a morder. Quanto mais eu mordia, pior o gosto ficava. Ficava progressivamente mais difícil de engulir devido ao forte gosto amargo, mas de alguma forma, nós terminamos todas as nossas folhas. Em cerca de dez ou quinze minutos eu percebi uma ligeira mudança na minha visão. Eu pude perceber vagamente um halo em volta dos objetos. Eu disse "Eu acho que estou sentindo algo."

Então eu fiquei em pé e andei uma curta distância. Era meio difícil me mover. Eu estava de repente mais consciênte do espaço e noção de perspectiva. Eu agora tinha certeza que estava olhando as coisas de forma diferente, lembro-me de ter dito: "Eu definitivamente estou sentindo algo".

Um dos meus amigos olhou um pouco desapontado e disse, "Eu não sinto nada", então quase antes dele acabar de dizer a palavra "nada", ele caiu da cadeira. Ele ria histericamente. Eu nunca havia visto alguém rir tanto que nem ele, seu corpo convulsionava com a risada. Ele me pareceu estar tentando dizer algo, mas era completamente imcompreensível porque ele não parava de rir. Sua risada era contagiosa e ele todos nós começamos a rir descontroladamente. Após alguns minutos, ele finalmente conseguia falar. Ele perguntou, "Você também esteve lá?" Neste momento eu não entendi o que ele queria dizer com esta pergunta, só mais tarde ele explicou que esteve em uma caverna subterranea e queria saber se nós estivemos lá também.

Nesta experiência, nós três haviamos sentido efeitos profundos provocados pela erva. Era algo muito natural e educador o que sentimo. Eu senti um forte senso de segurança e conforto, um sentimento que tudo estava em paz e era como deveria ser. Eu vi pequenas casa aconchegantes que eram de espíritos da natureza parecidos com as fadas contruídas nas colinas em volta de mim. Eu ví entidades parecidas com elfos de olhos esticados que se assemelhavam a personagens de desenho. Após cerca de uma hora, os efeitos foram gradualmente diminuindo, nos deixando relaxado confortávelmente e impressionados. Foi verdadeiramente uma experiência fantástica. Desde então eu me interessei apaixonadamente por esta planta.

Will: A Salvia divinorum tem a reputação de produzir efeitos bizarros. Você sente que esta planta pode ser usada para o crescimento pessoal/espiritual fora do uso tradicional dos Xamãs Mazatecas?

Daniel: Absolutamente, eu acredito que esta é a razão principal que as pessoas se sentem atraídas pela Salvia divinorum. É como uma passagem trans-dimensional que permite sair da realidade consensual, promovendo uma oportunidade única de explorar a naturesa da consicência e os mistérios fundamentais da existência. Pode te levar através da morte e o nascimento. Pode te transportar alguém para outro lugar e epoca, pode mostrar a criação e o fim do universo. Experiências como essa deixam uma impressão inesquecível e tremendamente enriquecedora. Eu acredito que a Salvia divinorum será de extremo valor como ferramente na psicoterapia, porque ela permite acessar profundamente o interior da psique. Eu tenho ouvido muitas pessoas que tiveram sua vida mudade de forma positiva, como resultados dos insights obtidos através das experiências com esta erva.

Esta ocorrendo atualmente um interessante experimento "as cegas" no Canada, que estuda a efetividade da Salvia divinorum como uma ajuda na meditação. O estudo é liderado por Ian Soutar e está sendo financiado pelo MAPS. Ian está trabalhando com um grupo de que pratica meditação silenciosa. Eles descobritam que com doses baixas, não visionárias, de Salvia divinorum ministrada de forma sublingual tem o efeito de libertar a mente de distrações e promover uma clareza e um estado melhor de concentração, o que é ideal na prática da meditação. Esse estudo é interessante para mim, pois explora uma nova forma de trabalho com a Salvia divinorum.

Will: Diga algo sobre o livro que você está escrevendo atualmente.

Daniel: Sim, é claro. Eu estou muito excitado com este projeto. O livro ficou muito maior do que eu esperava originalmente, e consequentemente esta me levando muito mais tempo para eu termina-lo do que eu esperava, mas eu sinto que isso irá valer a pena pela demora. O livro é bem abrangente e cobre praticamente todos os aspectos do assunto: história, botanica, horticultura, etnobotanica, química, bioquímica, a fenomologia dos efeitos, preparação e segurança, métodos de uso, a importância do ritual, etc. Eu estou pensando em publicar duas ou três sessões do livro separadamente antes de terminar o livro todo.Uma dessas podem ser um livro sobre "Botância e Horticultuda da Salvia divinorum" e a outra "Fenomologia dos Efeitos".

Will: Durante as pesquisas para o livro, você viajou para o México?

Daniel: Sim, eu passei algum tempo na Sierra Mazateca na primavera de 1999 fazendo algumas entrevistas, tirando fotos, explorando o habitat nativo da Salvia divinorum e participando de algumas cerimonias tradicionais com dois bem respeitados xamãs. Esta viagem foi um tanto mágica, e produtiva. Meu respeito com esta erva aprofundou-se bastante e também a minha apreciação pela forma que os índios curandeiros trabalham. Eu aprendi muitas coisas sobre a Salvia divinorum pela perspectiva dos Mazatecas e estarei compartilhando esse conhecimento que eu aprendi nos meus 4 livros que virão. É uma extraordinária região e eu pretendo retornar mais regularmente para conduzir futuras pesquisas e visitar meus novos amigos.

Will: Esses Xamãs que você conheceu no México, sabem do crescimento da popularidade da Salvia divinorum mundialmente? Se sabem, o que acham disso?

Daniel: Os curandeiroa que eu falei, me pareceram inconsciênte de que a ska Maria Pastora esta ficando popularmente conhecida. A maioria dos estrangeiros que vão aquelas regiões estão interessados nos hongitos (cogumelos) e em menor proporção nas morning glories (ipomea violácea, rivea corymbosa). Eles ocasionalmente encontram pessoas interessadas em Salvia divinorum, mas estes são poucos e raros. Eles me pareceram muito supresos com o meu interesse em aprender sobre a Salvia divinorum. Entretanto esta crescendo como nós sabemos o interesse no mundo todo, quase que comparado com os cogumélos mágicos. Eu acho que ainda levará um tempo até que os Mazatecas passem a ver turistas atrás de Salvia divinorum.

Tive uma conversa interessante com Doña Julieta, eu a expliquei que a maioria das pessoas estava tendo experiências hoje em dia funado as folhas da Salvia divinorum. Ela se mostrou bem contratiada com este tipo de prática e disse que era extremamente desrespeitosa com a planta, usa-la desta maneira. Ela disse que era o equivalente a queimar seus próprios filhos. Obviamente ela foi um pouco exagerada com isso. Ela deixou muito claro que em se tratando de plantas sagradas, honra e respeito são de suma importância, e que as folhas não devem ser consumidas sem observar um dieta ritualística apropriada e usa-las em um contexto cerimonial adequado, sob a direção de um experiente e respeitavel xamã, como ela.

Eu gostaria de mencionar aqui, que agora há empresários não-Mazatecas que estão indo até a região e comprando folhas de Salvia divinorum de Mazatecas sem escrúpulos para exportar. Estas operações de exportação estão tirando centenas de quilos de folhas secas da região anualmente. Obviamente os Mazatecas que estão vendendo para esses compradores estão realizando a popularização da erva sagrada deles fora do país.

Will: Que outras pesquisas você planeja conduzir no México?

Daniel: Primeiramente, eu estou interessado em passar mais tempo com alguns dos xamãs Mazatecas que usam Salvia divinorum e então poderei entender melhor o uso deles com esta planta, e suas perspectivas particulares em relação a ela. Eu acho que é muito importante para aqueles que estão experimentando Salvia divinorum terem um conhecimento do seu uso tradicional. Estes xamãs sabem bastante coisa sobre como trabalhar com esta planta de forma significativa. Eles entendem o que pode ser feito com ela e como usa-la para atingir objetivos específicos. É sabido que muitas culturas indígenas, tradições xamãs tem desaparecido pelo mundo rapidamente. Poucos Mazatecas jovens estão interessados em aprender suas tradições. Muito desse conhecimento será perdido nos próximos 20-30 anos se a atual geração de xamãs mais velhor morrerem. Pouquíssimas informações sobre a tradição Mazateca e o uso de Salvia divinorum foi registrada. Se esse conhecimento tem que ser preservado, o tempo de o fazer é agora, antes que desapareça.

Eu estou interessado em determinar se alguns dos Mazatecas diretamente vizinhos dos Cuicatecas e Chinatecas, também usavam Salvia divinorum. Eu também quero muito identificar a identidade da erva chamada "Yerba de la Virgen", que de acordo com o artigo de Weitlaner em 1952 foi usada pelo povo de Otomí numa região pouco distânte de Tulancingo, Hidalgo, na mesma maneria que a Salvia divinoru, seria fascinante descobrir que de fato era Salvia divinorum, mas mesmo que não seja, já seria bem interessante descobrir a verdadeira identidade.

Eu também estou planejando pesquisar a diversidade genética da Salvia divinorum. Esta planta raramente produz sementes e mesmo quando produz, difícilmente as sementes obtidas são viáveis. Por causa disso, a planta tem virtualmente sempre se propagado de forma assexuada por cortes. Nunca foi se observado geneticamente a diversidade da população de Salvia divinorum geradas através de sementes pelo botânicos. Numa primeira vista, muita das populações de Salvia divinorum apareceram de forma selvagem, mas olhando melhor, percebemos que os Mazatecas escolheram deliberadamente a planta em locais fora de acesso. Eles acreditam que não se deva planta-la em locais aonde passam pessoas, pois elas perderia sua força. Num ambiente umido, como as florestas fechadas na Sierras Mazatecas, as sessões do caule rapidamente enraizam quando fazem contato com o solo molhado.

Uma vez plantada em determinado local, a planta se propaga assexuadamente pelo ambiente local, ela se propaga sozinha através do galhos que se quebram e caem no chão. Dpois de muitos anos a planta se torna completamente naturalizada com a região, parecendo ser nativa. É certamente possível que existam populações de Salvia divinorum nativas em algum lugar. O que eu disse, foi que nunca foram observadas tais populações pelos botanicos, e os Mazatecas que eu falei asseguraram que elas não cresceram do forma selvaem, mas que sempre foram introduzidas nas localidades por interferência humana. Então parece que a planta são clones com uma diversidade genética bem limitada. De fato pode ser que hajam poucos clones de Salvia divinorum diferentes genéticamente na região toda, e é possível também que toda essa espécie seja predominantemente vinda do mesmo clone. Eu gostaria de coletar mais espécies vivas de uma grande variedade de locais pela região para ver se são geneticamente idênticas ou não. Isso pode ser feito através da análise de "isozyme" ou através de técnicas de identificação de DNA.

Will: Você recentemente conduziu experimentos para testar a reação psicoativa de outra Salvia, a Salvia Splendens. Como esse experimento foi feito e quais foram os resultados?

Daniel: A primeira descrição publicada que nós sabemos que se refere a Salvorina A, foi feita em 1982 por um fitoquímico mexicano, Alfredo Ortega. Naquele tempo ela era chamada de simplismente de salvorina. Em seus artigos, Ortega diz que a salvorina é estruturalmente similar a compostos isolados anteriormente encontrados na Salvia Splendens.

Isso me chamou a atenção e fiquei curioso em saber se a Salvia Splendens poderia produzir algum efeito similar aos da S. divinorum.

Então eu comprei várias plantas Salvia splendens de uma floricultura local e tentei fumar suas folhas secas. Após fumar uma quantia enorme, eu não notei nenhum efeito a não ser uma baita dor de cabeça. Então eu tentei fazer um extrado com suas folhas usando o mesmo procedimento que eu uso para extrair a salvorina A da Salvia divinorum. Experimentei este extrato diversas vezes, usando sempre quantias maiores, mas continuava sem perceber nenhum efeito. Neste ponto, eu estava convencido que a Salvia Splends era inativa. Então um ano ou dois mais tarde, eu recebi um email de alguém alegando que ele e um amigo, tentaram usar a Salvia Splendens e descobriram que ela pode ser psicoativa em doses muito baixas.

Ele parecia totalmente excitado com sua descoberta e começou a postar mensagens na internet sobre isso. Ele alegava que as folhas produziam um efeito relaxante, sedativo e traquilizante. Obviamente, estes não são os efeitos parecidos com o da Salvia divinorum.

Estes efeitos que ele associou com a Salvia splendens estão mais parecido com os do Valium®; não foi dito ser uma erva visionária.

Enquanto eu entedia que aqueles efeitos tem seu uso, pessoalmente não me senti muito interessado por eles. Entretanto, este relato me intrigou o bastante para eu decidir tentar usar a Salvia splendens de novo. Interessantemente, quando eu fiz a experiência, senti exatamente os efeitos descritos. Entretanto por alguma rasão, eu não fui capaz de experimentar os mesmos efeitos outras vezes nas tentativas subsequentes, mesmo usando quantidades maiores de folhas. Como esta informação estava postada em diversos locais da internet, um bom número de pessoas começaram a fazer seus experimentos. Muitas pessoas relataram que tiveram experiências como se estivessem sob efeitod e sedativos, mas muitas outras não sentiram nada.

Por causa dos relatos inconsitentes, eu comecei a pensar se não era uma efeito "placebo" o possível responsável pelos efeitos alegados por tantas pessoas, me incluindo também. Para investigar, eu decidi conduzir uma pesquisa informal usando voluntários da lista de emails sobre S. Divinorum.

Era uma lista de discussão via email que eu fundei a alguns anos atrás, que era dedicada a Salvia divinorum e outros Labiatae psicoativos.

Eu encontrei uma fonte para uma grande quantidade de folhas de Salvia Splendens, para saber se o material era aceitável para ser usado no experimento, eu mandei amostras das doses que eu pretendia usar no estudo para 3 pessoa que já haviam usado Salvia splendens diversas vezes e alegavam poder distinguir os efeitos. Unanimamente elas alegaram que o material era psicoativo e era completamente aceitavel para o experimento.

Então eu selecionei como placebo folhas de Viola odorata, porque é foi a erva mais parecida em aparencia e textura que eu pude encontrar que não desse nenhum efeito parecido com os descritos, assim não teria associação com a Salvia Splendens. Então eu mandei pacotes pré-pesados com as doses de Salvia splendens e o placebo para 61 voluntários. Eles foram instruídos a ingerir as amostras e então relatar qualquer efeito sentido por eles num questionário que também foi fornecido a eles. As pessoas podiam escolher entre fumar a amostra de erva ou ingerir de forma sublingual.

Alguns escolheram fazer os dois. Então eu coletei os dados dos dois métodos de ingestão.

A intenção do experimento era determinar se as pessoas eram capazes de distinguir Salvia Splendens do placebo não-psicoativo. Se a Salvia Splendens produz um efeito significativo, isso seria mostrado nos resultados obtidos pelo questionário. Infelizmente apenas 31 dos voluntários completaram o experimento e retornaram seus questionários, então a quantidade de dados que eu tinha disponível para trabalhar era relativamente pequena. Entretanto acredito que os resultados obtidos sejam significantes. Os resultados do experimento mostraram que a maioria das pessoas não relatou nenhum efeito de nenhuma das ervas. Tiveram aqueles que assinalaram "Efeito parecido com Salvia Splendens" (cerca de 35%), mas esse número é basicamente igual entre a Salvia Splendens e o placebo. Isso sugere que a Salvia splendes não é mais efetiva que o placebo em produzir "Efeito parecido com a Salvia Splendens". Isso é definitivamente um caso para estes específico material e doses usados neste estudo particular.

Depois de tornar público os resultados deste estudo, eu recebi de maneira supreendente diversas reações emocionais de pessoas que insistiam que a Salvia Splendens era realmente ativa e que meus estudos eram falhos. Eu tenho a impressão que estas pessoas se sentiram atacadas em sua integridade por eu sugestionar que estavam sendo vítimas de um efeito placebo.

Está claro que esta erva produz efeitos em diversas pessoas quando elas sabem o que estão ingerindo. De fato, muitas pessoas estão convencidas que estes efeitos são forçados. O problema está no fato da psicoatividade aparentemente desaparecer quando as pessoas não sabem o que elas estão ingerindo. A informação disponível sugere que os efeitos que as pessoas estão relatando ter, são provavelmente mais psicosomáticos do que efeitos farmacológicos devido a ação da erva; entretando eu não estou dizendo que este pequeno estudo de forma alguma fecha o livro de farmacologia sobre Salvia Splendens. Pesquisas futuras poderão identificar muito melhor algum tipo de psicoativo que possa não ter sido identificado neste experimento.

Will: Você acha que a Salvia divinorum vai escapar das proibições?

Daniel: Eu certamente gostaria que sim. A natureza dos efeitos é tão profundamente bizarro e ontológicamente desafiadora, o que impede que a torne muito popular.

Está claro que não forma hábito, não produz nenhum tipo de dependência. Se existe algo é o efeito reverso. A maioria das pessoas que experimentam Salvia divinorum, depois de uma ou duas experiências "fortes" decidem que existem coisa melhores a serem feitas por apenas diversão. Ela nunca irá ser usada largamente ou causará algum tipo de problema social igual aconteceu com outras plantas que foram consideradas ilegais. Mas como as proibições das plantas são as vezes imprevisível e ilógicas...

Por exemplo, não faz sentido proibir algo relativamente benigno como a Taberna iboga e Catha edulis, enquanto outras tantas mais potentes e perigosas estão facilmente disponíveis como as Daturas e outras do gênero continuam legais.

É muito importante que quem experimentar Salvia divinorum seja educado devidamente sobre seus efeitos e a use com inteligência, segurança e de preferência de uma forma que seja pessoalmente valiosa e significativa.

Pessoas que fornecer esta erva a outros o devem fazer com a responsabilidade de educar os futuros usuários. Eu estou preocupado com o fato de haver inescrupulosos empresários que vem a planta nada mais que uma forma fácil de se conseguir dinheiro e não se preocupam em nada com o que vai acontecer com as pessoas que usar. Se esse tipo de pessoa começar a extrapolar no marketing em massa como algo "novo barato" para consumidores sem conhecimento, sem preparo, isso se tornará um problema que poderá chamar atenão de forma negativa a planta. Salvia divinorum é uma planta sagrada e preciosa. Seria muito triste se ela fosse criminalizada.

Will: Em 1997, na conferência Mind States (Estados da Mente), Terrence McKenna disse sobre a Salvia Divinorum: "Eu não acredito que o Estado estaja interessado em criminalizar uma nova, de fáci cultivo e amplamente disponível planta psicoativa. Eu não acredito que o Estado precise de uma nova Cannabis." Você concorda com esta afirmação?

Daniel: Bem, eu acho que é particularmente difícil antecipar os interesses do Estado, mas Terrance estava certo no sentido de dizer que seria supostamente impossível pela lei tornar a Salvia divinorum ilegal. Seria uma tremenda perda de recursos e não resultaria nada de positivo. Diferente da Cannabis, Salvia divinorum é tanto discreta como aprecia sombra. Sendo plantanda perto de outras plantas ou embaixo de uma arvore ela pode crescer praticamente invisível.

Existem diversas Salvias ornamentais que tem aparência idêntica a Salvia divinorum, então identificar uma Salvia divinorum pode ser o maior problema. Ela é uma planta de rápido crescimento, fácil propagação e pode ser colhida em qualquer estágio do seu ciclo de vida. É fácil de ser cultivada dentro de casa, já que não precisa de iluminação de alta wattagem. Se a Salvia divinorum for transformada em ilegal, a maioria das pessoas passaram a cultiva-la dentro de casa. Diferente da cannabis, não terão que se preocupar com o forte odor ou as altas contas de energia.

Will: Qual é o seu método preferido de ingerir Salvia divinorum? Você tem algum contexto ritualístico que gosta de seguir?

Daniel: Atualmente, eu tenho diversos métodos preferidos para ingerir. Sou fascinado pela extrema intensidade e pela frequente bizarrice, mas breve experiências podem ser conseguidas fumando, e eu também aprecio experiências mais longas e estáveis, a entrada devagar na experiência que o mascar das folhas produzem usando o método "quid" ou usando um extrato absorvido sublingualmente. Quando fumado, a dose inteira é distribuida pela corrente sanguínea. O método produz efeitos que começão rapidamente quase sem você perceber. O ápice da experiência acontece em menos de 1 minuto, se prolongando por mais uns 5 ou 10 minutos, e então vai voltando ao normal gradativamente nos próximos 20-30min. Quando a Salvia divinorum é ingerida oralmente, a salvorina A é absorvida gradualmente pela corrente sanguínea. Os efeitos começam em 15-30min, tem um pico de 1-2 horas, e vai diminuindo gradativamente depois de mais 1 ou 2 horas. Ambos os tipos de experiência podem ser tremendamente recompensadora. A ingestão oral promovem uma experiência mais gradual, o que faz ser mais fácil se ajustar durante a mudança de consciência. O tempo maior de duração de experiência lhe da a oportunidade de explorar e aprender mais com a experiência. Entretanto as vezes uma experiência de menor duração alcançada quando se fuma é mais desejável, por que requer menos tempo de comprometimento e já que os efeitos são tão curtos, pode ariscar em mergulhar mais fundo, com a garantia de que voltara rapidamente a superfície.

Para fumar, eu definitivamente prefiro usar um concentrado com grandes quantidade de salvorina A, do que folhas secas comuns. Eu não vejo vantagem em inalar quantidade massivas de fumaça para alcançar grandes efeitos como é necessário com folhas em seu estado natural. No passado eu trabalhei com salvorina A pura, entretanto não uso mais desta maneira, porque uma única dose é tão diminuta que a manipulação era um grande problema. O que eu geralmente uso para fumar hoje em dia, é um preparado de folhas fortificadas com salvorina A que contém 1mg de Salvorina A em 25mg de folhas de Salvia divinorum. Isso pode ser fumado fácilmente num cachimbo comum, e por ser altamente concentrado, uma única inalada de um pouquinho de fumaça é o suficiênte. Quando eu uso o método "quid", prefiro usar folhas frescas do que as secas. Há algo bem satisfatório em consumir folhas frescas de uma planta, enquanto elas ainda estão frescas, suculentas e cheia de vitalidade. Eu também gosto de usar extrato sublingual. Ele produz o mesmo tipo de efeito que o método "quid", mas elimina o gosto amargo das folhas.

Eu incorporei vários elementos no meu ritual para sessões com Salvia divinorum. Rituais utilizam ações externas que funcionam como simbolismo ou metáforas para influência a experiência espiritual. Eu uso um ritual que envolve a preparação do ambiente espiritual. Essencialmente, para ajudar a criar um tipo de "set" mental que conduza para uma experiência produtiva e positiva.

Não direi todo tipo de ritual que eu uso, mas descreverei um mais frequentemente: definir um espaço sagrado. A maneira que eu faço isso é simples, queimo Salvia branca ou Copal e uso a fumaça para desenhar um círculo em volta da área que eu irei usar durante a sessão. Esse é uma ato simples mas de força extraordinária. Ele cria uma barreira para a sua sessão que promove um senso de preparação espiritual e respeito para aquilo que você está para fazer.

Isso reconhece formalmente o começo da sessão e sinaliza o momento de aumentar o comprometimento e concentração.

Will: Obrigado por ceder seu tempo e compartilhar conosco suas experiências.

Original em:
http://www.sagewisdom.org/interview.html