Psicodélico: O Xamanismo de Carlos Castaneda Hoje

quarta-feira, 2 de setembro de 2009

O Xamanismo de Carlos Castaneda Hoje



Nelson Neraiel - 01/09/2009
Passados quarenta anos desde o lançamento do primeiro livro, “Os Ensinamentos de D. Juan” que em português recebeu o título de “A Erva do Diabo”, a obra de Carlos Castaneda continua exercendo sua influência nas mais diversas áreas do pensamento contemporâneo e, principalmente, sendo posta em prática.
Ela é a narrativa do aprendizado de Carlos Castaneda com o, índio Yaqui Dom Juan Matus e trazia a publico uma dimensão do Xamanismo até então desconhecida.
Chamarei de praticantes para os fins deste texto aqueles que de forma solitária ou em grupo seguem as propostas de ação sugeridas por Carlos Castaneda como Nagual de sua linhagem.
Durante anos, as pessoas que se identificaram com esse conhecimento e acompanharam os livros, buscaram colocar em pratica os vários aspectos do que vinha sendo exposto.
Nos dois primeiros livros, importantes conceitos foram colocados, porem o tema principal naquele momento e assunto de pesquisa acadêmica de C.C. era o uso das plantas de poder.
A partir de “Viagem a Ixtlan” o foco mudou, Carlos reorganizou o material que havia sido deixado de lado por não se referir ao uso de plantas de poder e resultado foi um dos mais fortes e poéticos livros da série.
Começa a ficar claro que o que esta sendo proposto é uma reformulação da maneira usual e corrente de encarar a existência e a si próprio.
Nos livros seguintes, varias outras facetas desse conhecimento foram sendo apresentadas aos leitores. Cada livro refletia a compreensão de C.C. daquele momento especifico do seu aprendizado.
Uma das características do que aqui chamamos de “Xamanismo de C.C.“ e que é um xamanismo abstrato.Na maior parte do tempo seus livros falam de Consciência e Percepção.
Em vez de espíritos e deuses, falam de tipos de consciência, energias e mundos, distintos do nosso, mundos tão completos e totais quanto nossa realidade diária... Essa é uma diferença importante, uma vez que as descrições mitológicas, geralmente antropomórficas e zoomórficas dos planos não físicos, suas energias e seus habitantes, que é tão característica das culturas xamânicas são postas de lado.
Na verdade isso é resultado do fato de que esses xamãs podiam ver a energia diretamente como ela flui no universo, ou seja, sem o processo de interpretação normalmente utilizado pelos nossos organismos para construir a realidade percebida. Os “Antigos Videntes” fonte original dessa tradição, xamãs do México antigo, segundo o relato, obtiveram feitos de perceptivos realmente fantásticos, explorando os limites do universo e das possibilidades de ação e percepção humanas.
Seus herdeiros culturais, em dado momento, ainda antes da conquista espanhola, fizeram uma análise do que era realmente fundamental e positivo das antigas e vastas pratica desses xamãs e reorganizaram seu conhecimento, dando inicio a um novo ciclo, o ciclo dos “Novos Videntes” segundo a denominação usada por D. Juan.O Sonho Lúcido, a Arte da Espreita, a Recapitulação, a Impecabilidade, o Espírito do Guerreiro e os Passes Mágicos, se tornaram o núcleo de suas praticas e foram temas abordados nos livros de C.C.
A dimensão fantástica dessas narrativas, para o atual paradigma de nossa sociedade, contribuía para que ler e se identificar com esse conhecimento, fosse por si só algo que já nos levava a rever certas posições mesmo que teoricamente. À vontade de pertencer a esse grupo de guerreiros e de seguir o caminho do conhecimento levava-nos a desejar encontrar de qualquer maneira a sua fonte, C.C. e D. Juan Matus, porem isso era quase impossível, C.C. estava desaparecido e incógnito há vários anos e D. Juan já havia partido....
Dentro desse quadro cada leitor trilhava seu próprio caminho tentando colocar em pratica e vivenciar aquelas experiências descritas nos livros.Sentíamos que faltava algo para que pudéssemos realmente adentra aquele mundo... Aliados, Mundos Paralelos, Arte do Sonhar, Espreita, Recapitulação... Mover o Ponto de Aglutinação... Como faríamos tudo isso?
Acredito que em determinado momento, cada um dos que acompanhavam os livros, decidiu seguir esse caminho mesmo sabendo que provavelmente nunca teriam sucesso. Tenho certeza que muitos tomaram essa decisão. Assim mais uma das premissas de D. Juan era subjetivamente posta em pratica, a de que temos que acreditar sem acreditar... E agir, sem esperar recompensas.”
No inicio da década de 80 Carlos Castaneda volta a publico e passa a ensinar a grupos reservados de aprendizes. No inicio da década de 90 e começa a ensinar a “Tensegridade”, a versão moderna de antigos movimentos, gestos e respirações conhecidos como “Passes Mágicos”. A parte pratica do conhecimento dos xamãs do México antigo.

Segue uma breve descrição dos Passes retirada do site oficial:

"Os passes mágicos são movimentos corporais, posturas e respirações, que os videntes do México antigo descobriram em seu sonho e que se praticam pelo efeito extraordinário que têm sobre o bem-estar, o vigor e a consciência.”

Basicamente o objetivo dos Passes é a redistribuição da energia acumulada e estagnada na borda de nosso ovo luminoso ou aura, trazendo-a de volta para nossos centros energéticos com profundos efeitos sobre nosso organismo..São realizados então, os primeiros encontros públicos e Seminários e é lançado o livro “Passes Mágicos” e posteriormente mais quatro fitas de vídeo.

Os Passes Mágicos, a sabedoria pratica dos Xamãs do México antigo, são a ferramenta fundamental para termos a energia e disciplina necessárias para realmente vivenciar o conhecimento e técnicas dos livros em nosso dia a dia. C.C. reorganizou os passes em séries com finalidades especificas, terminando de retirar todo o ritual e segredo, associados a prática desses passes no passado e passou a utilizar o termo “Tensegridade” para designar essa nova forma.

D. Juan já havia ‘visto’ que o que é realmente importante nos passes e a redistribuição de energia dentro de nosso ovo luminoso e que isso não dependia do ritual. Durante as práticas que orientava, o nagual Carlos Castaneda pode então verificar um importante fenômeno, algo totalmente novo, o efeito da massa de praticantes. Ele pode observar o grande incremento de energia que acontece quando, acima de um determinado numero de pessoas, praticam os passes em conjunto.

Isso, além de intensificar os efeitos do passe, contribui para uma maior facilidade dos praticantes em aprendê-los e em alcançar momentos de silencio interior.A percepção do “Efeito de Massa” foi fundamental para determinar o rumo e como esse conhecimento é divulgado hoje em dia. Hoje, os praticantes ao redor do mundo testam e verificam cada uma das ferramentas que nos foram dadas.

Um dos focos atuais das práticas é a observação de si próprio e dos momentos em que ganhamos ou perdemos energia, dos momentos em que estamos alinhados e das coisas ou situações que nos tiram desse estado de alinhamento. Observar a repetição entediante dos nossos velhos e equivocados comportamentos que só nos trazem dor, conflitos interiores e com os nossos semelhantes, e principalmente o que podemos fazer para mudar isso.

Nos Seminários, que acontecem em diversos países, inclusive aqui no Brasil, a onde haverá um agora em dezembro em São Vicente, litoral de São Paulo, através da interação dos Instrutores com os praticantes, são estabelecidos os novos rumos das práticas, de acordo com a orientação das três companheiras de Carlos Castaneda: Carol Tigs, Taisha Abelar e Florinda Donner Grau.

Hoje praticantes novos e antigos, jovens e velhos, homens e mulheres, que leram todos os livros várias vezes, e outros que leram somente alguns, estão juntos em uma estranha e envolvente aventura, uma aventura como seres mágicos em um mundo mágico, em um tempo mágico, que sabem que em algum ponto desse caminho retornaram para aquela imensidão da onde vieram.

Um grupo unificado de praticantes explorando as possibilidades dessa nossa estranha e empolgante, viagem perceptiva como consciências.

Minúsculas velas de consciência, navegando nas asas do Intento... Como dizem alguns praticantes....

Esse artigo se propõe a dar um rápido panorama do que vem sendo feito pelas pessoas que se propuseram a levar adiante o Sonho, e atravessar, a porta que foi aberta por Carlos Castaneda.

Nota: (Nelson Neraiel é um estudioso do Xamanismo, das Culturas Indígenas, do Conhecimento Tolteca e praticante de Tensegridade. E-mail: nelson.neraiel@ig.com.br)