Psicodélico: A hipótese do antropólogo Jeremy Narby

segunda-feira, 22 de junho de 2009

A hipótese do antropólogo Jeremy Narby

Fonte : http://www.jornalinfinito.com.br/series.asp?cod=103

Jeremy Narby, PhD, é um antropólogo franco-canadense que trabalha na Suíça para a Nouvelle Planet, uma organização “non-profit”. Narby formou-se na Universidade de Canterbury e recebeu o seu PhD em antropologia na Universidade de Stanford. Por dois anos, viveu na Amazônia Peruana estudando os índios Ashaninka e os seus métodos de emprego dos recursos da floresta. Volta e meia ele retorna às suas pesquisas na Floresta Amazônica Peruana. Jeremy Narby escreveu dois livros. No primeiro, The Cosmic Serpents and the Origins of Kownledge, o antropólogo foi obrigado a estudar biologia para dar corpo a uma hipótese revolucionária que lhe ocorreu, sobre o papel desenvolvido pelo DNA na origem da vida e da sua evolução no planeta Terra. Recebeu o auxílio de vários biólogos importantes dentre eles: Lynn Margulis e Dorion Sagan que assim se manifestaram sobre o livro de Narby: “The Cosmic Serpents oferece conexões intrigantes para o conhecimento de uma estrada muito pouco trafegada – aquela que os índios usam através do uso de alucinógenos – e de como esta estrada pode se conectar, no futuro, com a biologia molecular”. Dorion Sagan e Lynn Margulis autores de: What is life?

“Iniciei a minha investigação na Amazônia Peruana com o enigma da “comunicação das plantas”. Aceitei a idéia de que as alucinações dos shamans poderiam se tornar numa fonte de informação verificável. Terminei com a hipótese que sugere que a mente humana pode se comunicar, em consciência desfocalizada com a rede global da vida baseada no DNA. Tudo isto contradiz os princípios do conhecimento ocidental”. (pág. 131)

Jeremy Narby confessa, como muitos outros, de que foi influenciado por Carlos Castañeda quem a maioria global desconhece que nasceu no Brasil, na cidade de Juqueri, no interior de São Paulo. Carlos Aranha Castañeda, o seu nome real, de conformidade com uma das suas últimas entrevistas, feita com uma jornalista espanhola e que se tornou em um livro (edição esgotada).

A hipótese de Narby é testável, diz ele.“O teste consistiria em saber se biólogos institucionalmente respeitados poderiam encontrar informação biomolecular no mundo dos alucinógenos dos auahuasqueiros. Embora esta hipótese seja correntemente rejeitada pela biologia institucional, porque infringe as pressuposições da disciplina. A biologia tem uma cegueira de origem histórica”. (pág. 132).

Qual seria esta hipótese?O antropólogo afirma que ela sugere que o que é chamado de essências animadas pelos shamans que com elas dizem se comunicar e de onde recebem informações preciosas e úteis, é o DNA, que anima todas as formas vivas. Infelizmente, a biologia moderna está fundamentada na noção de que a natureza não é animada por uma inteligência e que, portanto, o histórico desta questão nasceu com a tradição materialista estabelecida pelos naturalistas dos séculos 18 e 19. Esta foi a época, inclusive, onde questionar os ditames da bíblia se tornava em heresia e em pesadas sanções.

Corajosamente, Linneus, Lamarck, Darwin e Wallace afrontaram este estado de coisas concluindo que as diferentes espécies evoluíram ao longo do tempo e que não tinham sido criadas no Jardim do Éden em formas pré-fixadas há milhões de anos.Com a teoria da origem das espécies, Darwin e Wallace tiraram Deus do seu jardim e proporcionaram a grande chance aos biólogos estudar a natureza e ignorarem um plano divino para ele.

Pro um século a teoria da evolução foi contestada, vitalistas, como Bergson, rejeitaram todo este materialismo, argumentando que lhe faltava a explicação de um mecanismo capaz de desvendar o segredo de como se originaram todas as variações.

No ano de 1950, com a descoberta do DNA, a teoria de Darwin se firmou no meio acadêmico. O DNA demonstrava a materialidade da hereditariedade e se encarnava no mecanismo exigido por Bérgson.A molécula do DNA é auto-duplicante e transmite informações para as proteínas, os biólogos então concluíram que esta informação não poderia fluir de volta das proteínas para o DNA; em vista disto, a variação genética poderia advir somente de erros no processo de duplicação. Sir Francis Crick, um dos co-descobridores da estrutura do DNA batizou esta descoberta de dogma central da novel disciplina denominada – biologia molecular: “A chance é somente a verdadeira fonte da inovação”, disse ele.A filosofia materialista, desde então, cobrou novo ímpeto. A vida passou a ser um fenômeno material.

“O último objetivo do movimento moderno na biologia é explicar toda a biologia nos termos da física e da química”. Sir Francis Crick (grifo original do autor).“Os processos que ocorrem nos seres vivos vistos ao microscópio no nível das moléculas, são de modo algum diferentes daqueles analisados pela física e química nos sistemas inertes”. François Jacob –Prêmio Nobel – biólogo molecular.

A Chance e a Necessidade

Jacques Monod – Prêmio Nobel – e também biólogo molecular expressou no seu livro cujo título abre este texto, que a chance e somente ela, seria a fonte da inovação na natureza.

Os biólogos se ufanaram com a idéia de que haviam descoberto a verdade ou seu dogma como intitularam. Mas a tão famosa e decantada chance sobreveio com ares de furacão balançando todo este ufanismo com a descoberta do código genético em 1960.

O antropólogo Jeremy Narby, enfronhando-se na biologia profundamente para dar corpo à idéia que lhe assaltava a mente, assustou-se com a semelhança extrema entre o DNA e toda a sua maquinaria celular, a uma tremenda e sofisticada tecnologia de origem cósmica!...

“Mas à medida que eu estudava atentamente as milhares de páginas contidas nos textos da biologia, descobria um mundo em tudo semelhante à ciência ficção e que parecia confirmar a minha hipótese”. Narby (pág. 135).

O Mundo da Ciência Ficção na Biologia Molecular

São proteínas e enzimas descritas como “robots miniatura” , ribosomas surgem como verdadeiros computadores moleculares, as células são descritas como fábricas e o próprio DNA: “texto”, “programa”, “linguagem” ou “data” (informação). Mesmo diante de todo este cenário estupefaciente e muito excitante, diz Narby – “muitos autores demonstram uma falta total de deslumbramento e parecem considerar que a vida é meramente um fenômeno fisioquímico”.

Jeremy Narby detalhou minimamente todo este mundo maravilhoso que nem mesmo sendo tão estupefaciente, consegue emocionar a maioria daqueles que nele e dele vivem cotidianamente! A mais incrível das descobertas que o antropólogo fez, foi a de que os shamans da Amazônia Peruana, com as suas metáforas descritivas daquilo que as simples palavras não conseguem exprimir a contento, a seu modo, se correlacionavam com a linguagem científica descritiva do DNA, com as suas metáforas antropocêntricas e tecnológicas. Lendo os textos da biologia e meditando sobre toda esta semelhança, Narby concluiu que: “Constantemente, eu imaginava como a natureza pode ser destituída de intenção se ela corresponde verdadeiramente às descrições que os biólogos fazem a seu respeito”. Narby (pág. 137).

A Dança dos Cromossomos

“Basta-nos, apenas, considerarmos a dança dos cromossomos para observarmos que o DNA se move num caminho deliberado. É como se dançassem uma “pavana”. Depois de explicar toda a coreografia desta pavana, Narvy pergunta: “Esta assombrosa e imponente pavana ocorreria sem alguma forma de intenção? Na biologia esta questão, simplesmente, jamais foi formulada”.

Esta questão pode ter, também, ligações com o que Narby denomina de olhar racional ou aproximação racional, que “tende a minimizar aquilo que não se compreende”. Diz o antropólogo que o melhor dos campos de treinamento para esta arte muito conveniente, é a sua profissão: a antropologia. E explica o porque. “Os primeiros antropólogos consideravam a todos aqueles que viviam na periferia do mundo dito “civilizado e racional” de primitivos e pertencentes a sociedades inferiores. Os shamans foram categorizados como doentes mentais. A aproximação ou olhar racional é o resultado da idéia de que tudo o que é inexplicável e misteriosos é, em um determinado senso, o inimigo. Isto significa que se prefere o pejorativo, e mesmo o erro, a responder demonstrando a ausência de compreensão”.(pág. 139).

A Ciência Cow-boy

A ciência “cowboy” primeiro atira e depois... PERGUNTA. Um perfeito exemplo dela diz respeito ao que se nomeou de “junk” DNA. 97% do DNA no nosso corpo foi denominado, por pura ignorância do que poderia chamar de: “lixo” (junk). Recentemente, hipóteses sugerem que o junk pode desempenhar determinadas funções. Isto define o apelido de ciência cow-boy que não é tão objetiva o quanto faz parecer que é! Reclama Narby e conclui: “Aprendi durante a minha investigação: vemos somente aquilo no acreditamos, e para mudarmos a nossa visão, torna-se necessário, algumas vezes, mudarmos aquilo no que acreditamos”. (pág. 140).

A Hipótese

Para fazer compreender bem a hipótese de Jeremy Narby, tivemos que desenrolar a ponta do novelo para que se pudesse assimilar algumas das elucubrações feitas pelo antropólogo durante a sua caminhada. O novelo lhe foi entregue quando pesquisava a mitologia dos ashininka peruanos. A constância da imagem de uma serpente ou de serpentes quilométricas, enroladas e desenroladas de dupla hélice, doadoras da vida e do conhecimento total a respeito de tudo, as pinturas feitas pelos shamans novamente mostrando as duplas hélices, escadas, trepadeiras, imagens que copiavam fielmente a forma dos cromossomos em fases específicas, formas idênticas as do DNA e a sua descrição tão fiel que tudo parecia ter saído de um livro de biologia, mas saíra, na verdade, dos lábios e dos pincéis de personagens que sempre foram descritos pela antropologia como sendo doentes mentais...

Narby fez um teste: mostrou ilustrações coloridas e quadros muito detalhados feitos pelos índios peruanos e shamans daquela e de outras plagas do planeta, para um amigo seu, versado em biologia. O amigo se espantou sobremaneira: “olhe, aqui está o colágeno... e alí são as hélices triplas... e acolá o DNA afar (de longa distância) semelhante a um fio telefônico... isto se parece com cromossomos em fase específica... há uma forma do DNA espalhado e junto os cilindros (spools) de DNA na sua estrutura de nucleosomo”. Suren Erckman – 1994.

Narby estava chocado! Havia descoberto que os simples mitos dos shamans peruanos e de todo o mundo, relacionavam-se, perfeitamente, com um conhecimento real descoberto nos laboratórios!

Neste ponto o Gênesis até que tinha razão, pensou Narby. E no princípio era o “VERBO”: Verbo? Linguagem? DNA?

Origem da Vida

Não pretendo atacar a fé de mingúem, mas demarcar a cegueira do olhar racional e fragmentado da biologia contemporânea e explicar porque a minha hipótese está condenada, antecipadamente, a permanecer trancada dentro desta cegueira. Resumindo: minha hipótese está baseada na idéia de que o DNA em particular e a natureza em geral possuem um tipo específico de mente. Isto contradiz o princípio básico da biologia molecular, ou seja, a ortodoxia corrente”. (pág. 145).

Bibliografia:- The Cosmic Serpent – Jeremy Narby – ed. Penguin Pretnam Inc.

2 comentários:

freefun0616 disse...

酒店經紀人,
菲梵酒店經紀,
酒店經紀,
禮服酒店上班,
酒店小姐兼職,
便服酒店經紀,
酒店打工經紀,
制服酒店工作,
專業酒店經紀,
合法酒店經紀,
酒店暑假打工,
酒店寒假打工,
酒店經紀人,
菲梵酒店經紀,
酒店經紀,
禮服酒店上班,
酒店經紀人,
菲梵酒店經紀,
酒店經紀,
禮服酒店上班,
酒店小姐兼職,
便服酒店工作,
酒店打工經紀,
制服酒店經紀,
專業酒店經紀,
合法酒店經紀,
酒店暑假打工,
酒店寒假打工,
酒店經紀人,
菲梵酒店經紀,
酒店經紀,
禮服酒店上班,
酒店小姐兼職,
便服酒店工作,
酒店打工經紀,
制服酒店經紀,
酒店經紀,

,酒店,

Rose Nunes disse...

Acho que os cientistas pararam, há muito, de conversar uns com os outros, hábito sem dúvida responsável pelas correntes de ar e de estimulante auto análise que tanto bem fizeram à Ciência de outora.Se o fizessem, como o bravo Jeremy Narby,mais descobertas maravilhosas como a dele já teriam acontecido.Parabéns, pois, ao jovem cientista, e que ele não perca este indomável espírito de questionamento, mesmo contra todos os obstáculos