Psicodélico: Animação sobre Hofmann a sua famosa volta para casa de bicicleta.

terça-feira, 12 de fevereiro de 2013

Animação sobre Hofmann a sua famosa volta para casa de bicicleta.





Leia abaixo as anotações e reflexões de Hofmann sobre sua experiência.
                                             A Auto-experiência de Hofmann
                                                                              19 de abril de1943
16:20:
0,5 cc de 1/2 solução aquosa de promil tartarato de diethylamide oralmente =
0,25 mg. de tartarato.
Tomado diluído com aproximadamente 10 cc. de água. Insípido.
17:00:
Começando uma vertigem, sentimento de ansiedade, de distorções visuais, sintomas de
paralisia, desejo de rir.
Fui para Casa através de bicicleta.
Das 18:00 às 20:00 crise mais severa.
Aqui cessam as notas do meu diário de laboratório. Eu só pude escrever as últimas palavras com um
grande esforço. Agora já estava claro para mim que o LSD tinha sido a causa da notável experiência da
sexta-feira prévia, pelas percepções alteradas que eram do mesmo tipo de antes só que com uma
intensidade muito maior. Eu tive que lutar para falar de forma inteligível. Eu pedi para meu assistente
de laboratório, que estava ciente da minha auto-experiência, que me acompanhasse até minha casa.
Nós fomos de bicicleta, nenhum automóvel estava disponível por causa das restrições de seu uso
durante a guerra. Uma vez em casa, minha condição começou a assumir formas ameaçadoras. Tudo
em meu campo de visão oscilava e estava distorcido como se visto num espelho torto. Eu também tive
a sensação de estar impossibilitado de sair do lugar. Não obstante, meu assistente me falou depois que
nós tínhamos viajado muito rapidamente. Felizmente nós chegamos em casa são e salvos e eu fui
capaz de pedir para meu companheiro chamar nosso médico de família e mesmo pedir leite aos
vizinhos.
Apesar da minha condição delirante, confusa, eu tive breves períodos de pensamento claro e efetivo e
escolhi leite como um antídoto não específico para o envenenamento.
A vertigem e sensação de desmaio às vezes ficavam tão fortes que eu já não podia ficar em pé e tive
que me deitar num sofá. Meus ambientes tinham se transformado agora de modo terrificante.
Tudo no quarto estava girado ao meu redor e os objetos mais familiares, as peças de mobília assumiam formas
grotescas, ameaçadoras. Elas estavam em contínuo movimento, animadas, como se dirigidas por uma
inquietude interna. A vizinha, que eu reconheci parcamente, trouxe-me leite e, durante a noite, bebi
mais de dois litros. Ela não era mais nenhuma Senhora R., mas sim uma bruxa malévola, insidiosa
com uma máscara colorida.
Até pior que estas transformações endiabradas do mundo exterior, eram as alterações que eu percebia
em mim, em meu próprio ser interno. Todo esforço na minha tentativa para pôr um fim na
desintegração do mundo exterior e na dissolução de meu ego, parecia ser um esforço desperdiçado.
Um demônio tinha me invadido, tinha tomado posse do meu corpo, mente, e alma. Saltei, gritei e
tentei me livrar dele, entretanto afundei novamente e me deitei impotente no sofá. A substância, que eu
tinha querido experimentar, tinha me derrotado. Era o demônio que desdenhosamente triunfava sobre
minha vontade. Fui tomado pelo terrível medo de ter ficado louco. Eu fui levado para um outro
mundo, um outro lugar, um outro tempo. Meu corpo parecia estar sem sensações, inanimado, estranho.
Estaria eu morrendo? Esta era a transição?Às vezes eu acreditava que estava fora do meu corpo e então percebia claramente, como um observador externo, a completa tragédia da minha situação. Eu nem mesmo tinha tido a oportunidade de me despedir da minha família (minha esposa, com nossas três crianças, tinha viajado naquele dia para visitar seus pais, em Lucerne). Entenderiam eles que eu não tinha experimentado irrefletidamente, irresponsavelmente, mas com uma precaução bastante extrema e isto era um resultado totalmente imprevisível? Meu medo e desespero se intensificaram, não só porque uma família jovem poderia perder seu pai, mas também porque eu temia ter que deixar meu trabalho de pesquisa química inacabado no meio de um desenvolvimento frutífero, promissor.
Outra reflexão que tomou forma foi uma idéia cheia de ironia amarga: se eu fosse forçado a deixar este mundo prematuramente, seria por causa deste ácido lisérgico diethylamide que eu mesmo tinha trazido ao mundo.  Antes que o doutor chegasse, o clímax da minha desesperada condição já tinha passado. Meu assistente de laboratório o informou sobre minha auto-experiência porque eu não era ainda capaz de formular uma frase coerente. Ele, perplexo, balançou sua cabeça depois de minhas tentativas para descrever o perigo mortal que ameaçava meu corpo. Ele não pôde descobrir nenhum sintoma anormal diferente das pupilas extremamente dilatadas. Pulso, pressão sanguínea e a respiração estavam totalmente normais. Ele não via nenhuma razão para prescrever qualquer medicamento. Ao invés disso ele me levou para minha cama e ficou me vigiando. Lentamente eu voltei de um mundo misterioso, pouco conhecido e reassumindo a realidade cotidiana. O horror suavizou-se e deu lugar a um sentimento de muita felicidade e gratidão, quanto mais normais as percepções e os pensamentos devolvidos, fiquei mais confiante de que o perigo da loucura tinha definitivamente passado. 
Agora, pouco a pouco, eu poderia começar a desfrutar as cores sem precedentes e os jogos de forma
que persistiram por trás de meus olhos fechados. Imagens caleidoscópicas, fantásticas surgiram em
mim, variando, alternando, abrindo e então se fechando em círculos e espirais, explodindo em fontes
coloridas, reorganizando e se cruzando em fluxos constantes. Era particularmente notável como cada
percepção acústica, como o som de uma maçaneta de porta ou de um automóvel passando, foi
transformada em percepção óptica. Todo som gerava uma vívida imagem variável, com sua própria
forma, consistência e cor.
Mais tarde, à noite, minha esposa voltou de Lucerne. Alguém a tinha informado, através de um
telefonema, que eu estava sofrendo um desarranjo misterioso. Ela tinha voltado para casa
imediatamente e tinha deixado para trás as crianças com os pais dela. Até então eu já tinha me
recuperado suficientemente para lhe contar o que tinha me acontecido.
Exausto, então eu dormi para despertar na próxima e fresca manhã com uma mente clara, embora
ainda um pouco cansado fisicamente. Uma sensação de bem-estar e vida renovada fluía por mim. O
café da manhã teve um gosto delicioso e me deu um extraordinário prazer. Quando depois eu fui ao
jardim, no qual o sol brilhava depois de uma chuva da primavera, tudo brilhou e centelhou numa luz
fresca. O mundo era como se tivesse sido recentemente criado. Todos meus juízos vibravam em uma
condição mais alta de sensibilidade que persistiu durante o dia inteiro.

Esta auto-experiência mostrou que o LSD-25 se comportara como uma substância de propriedades
psicoativas extraordinárias e com muita potência. Não havia no meu conhecimento, nenhuma outra
substância que provocasse tais efeitos psíquicos profundos em tais doses extremamente baixas e que
causassem tais mudanças dramáticas na consciência humana e na nossa experiência do mundo interior
e exterior.
O que parecia mais significante era que eu podia até mesmo lembrar-me da experiência de inebriação
do LSD em todos os detalhes. Isto só poderia significar que a função gravadora da consciência não foi
interrompida, até mesmo no clímax da experiência do LSD, apesar do desarranjo profundo da visão
normal do mundo. Durante toda a experiência, eu tinha estado ciente, até mesmo atento, da
participação em uma experiência, mas apesar deste reconhecimento da minha condição, não pude eu,
com todo o esforço do meu querer, sacudir o mundo do LSD. Tudo foi experimentado como
completamente real, como uma realidade alarmante; alarmante porque o quadro da outra, a familiar
realidade cotidiana, ainda tinha sido completamente preservada na memória para comparação.
Outro aspecto surpreendente do LSD foi sua habilidade de produzir um estado de longo alcance,
poderoso de inebriação, sem deixar uma ressaca. Totalmente ao contrário, no dia seguinte ao
experimento do LSD eu mesmo me senti, como já descrevi, em excelente condição física e mental.
Eu estava seguro que o LSD, uma combinação ativa nova com tais propriedades, teria que ter uso na
farmacologia, na neurologia e especialmente na psiquiatria, e que atrairia o interesse dos especialistas
envolvidos.
Mas naquele momento eu não tive nenhuma percepção de que a nova substância também
viria a ser usada, além da ciência médica, como um inebriante no cenário das drogas. Considerando
que minha auto-experiência tinha revelado o LSD em seu terrificante e endiabrado aspecto, a última
coisa que eu poderia ter esperado era que esta substância pudesse mesmo achar aplicação como
qualquer coisa se aproximando de uma droga de prazer. Eu, além disso, não reconheci a conexão
significante entre a inebriação do LSD e as experiências visionárias espontâneas, até muito mais
recente, depois de experiências adicionais que foram levadas a cabo com doses muito mais baixas e
debaixo de condições diferentes.
No próximo dia eu escrevi ao Professor Stoll o relato acima mencionado, informando sobre minha
experiência extraordinária com o LSD-25 e enviei uma cópia ao diretor do departamento
farmacológico, Professor Rothlin.
Como esperado, a primeira reação foi de uma incrédula surpresa. Imediatamente uma chamada
telefônica veio da administração; o Professor Stoll perguntou: “Você está certo que não cometeu
nenhum engano de julgamento? A dose declarada está realmente correta?” Professor Rothlin também
me chamou e fez a mesma pergunta. Eu estava certo deste ponto, porque tinha executado o peso e a
dosagem com minhas próprias mãos. Ainda que suas dúvidas fossem até certo ponto justificadas, até
então nenhuma substância conhecida tinha exibido o efeito psíquico mais leve até mesmo em doses de
fração de um miligrama. Uma combinação ativa de tal potência parecia quase incrível.
O Professor Rothlin e dois de seus colegas foram os primeiros a repetir minha experiência, com só um terço da dose que eu tinha utilizado. Mas até mesmo naquele nível, os efeitos ainda foram extremamente impressionantes e bastante fantásticos. Todas as dúvidas sobre as declarações do meu relatório foram

Um comentário:

Bruno Pinna disse...
Este comentário foi removido pelo autor.