Psicodélico: Filme - A Inquisição Farmacrática

segunda-feira, 30 de março de 2009

Filme - A Inquisição Farmacrática

A Inquisição Farmacrática


Click no link para direcionar o site onde está hospedado o vídeo. Legendas em Português.

Relato sobre o vídeo realizado por Martin W. ball, Ph.D., autor e proprietário do Podcast Evolução Enteogênica

A Inquisição Farmacrática é um filme provocativo de Gnostic Media que argumenta que virtualmente toda a mitologia, simbolismo e a história de Jesus e das tradições Cristãs estão relacionadas a dois assuntos básicos: astrologia e xamanismo. Para aqueles não familiares com as evidências que apóiam esta declaração, este filme pode ser verdadeiramente revolucionário e abrir a mente.

Muito do material do filme está apoiado no trabalho de John Allegro. Allegro foi um dos acadêmicos originalmente escolhidos para traduzir os Pergaminhos do Mar Morto, escritos Católicos antigos, descobertos em Qumran próximo ao Mar Morto no meio do século 20. Diferentemente de seus colegas, Allegro não era comprometido com a Igreja Católica e portanto foi capaz de desenvolver suas próprias teorias e interpretações, livre do dogma Católico. O resultado foi a sugestão radical de que Jesus era um cogumelo psicoativo. Em particular, Allegro argumentou que a mitologia e o simbolismo que rodeiam Jesus Cristo apontam para o cogumelo Amanita muscaria, o icônico cogumelo vermelho e branco tão comum no simbolismo e imagens Cristãs.

O cogumelo Amanita tem papel central no filme e é apresentado como base dos elementos xamânicos no Cristianismo. Existe uma história longa de uso do Amanita entre xamãs do norte europeu e da Sibéria, as próprias culturas de onde se origina a palavra "xamã". Nestas culturas, xamanismo era sinônimo do uso do Amanita e o conhecimento de suas propriedades psicoativas eram bem conhecidos em toda esta região do mundo. Portanto a influência do uso xamânico do Amanita no Cristianismo não deveria necessariamente surpreender, mas o argumento de que Jesus é o Amanita, e não um personagem histórico, é provavelmente surpresa para muitos.

O filme faz uma argumentação convincente para esta conexão entre Jesus e o Amanita, e mesmo com os cogumelos psilocibe, através da apresentação do simbolismo Católico, iconografia e imagens. Quando se olha cuidadosamente para a Igreja Católica, o simbolismo do Amanita parece abundante, das roupas dos Papas e cardinais até afrescos, arcos de passagem e arquitetura de igrejas. Mesmo os mitos, como do Santo Graal, parecem cair na categoria de simbolismo do amanita. Realmente, quando as imagens são apresentadas desta maneira, a comparação com o amanita se torna imediatamente óbvia e difícil de desbancar.

Mesmo Papai Noel recebe o tratamento amanita neste filme. Aqui o elfo bom velhinho é apresentado no contexto do xamanismo do norte europeu, onde, de acordo com a tradição, o xamã secava seus amanitas em um pinheiro e depois visitava os yurts de sua comunidade, entrando pelo buraco para fumaça trazendo de presente para as pessoas cogumelos sagrados. Não é muito estender esta visão para perceber que estes xamãs que passeavam com renas foram o modelo icônico para o velho gordo Noel vestido de vermelho e branco, ele mesmo parecendo muito com o amanita.

O filme apresenta, adicionalmente à influência do xamanismo e de cogumelos psicoativos no Cristianismo, a relação entre astrologia e astronomia com o mito Cristão. Aqui os produtores fornecem argumentos convincentes para a correlação entre o mito Cristão e o céu no Solstício de inverno, incluindo as Eras Zodiacais, demonstrando graficamente como estes contos da estrela brilhante, os três reis, a morte e ressurreição de Jesus todos se encaixam com fatos previamente conhecidos do céu noturno e a mudança das estações.

Por fim, a Inquisição Farmacrática desafia muitos dos pressupostos e crenças que podemos ter sobre o Cristianismo e suas figuras centrais, mostrando evidências provocativas de que as coisas não são como parecem nesta tradição. Se for verdade, a pergunta que vem é: Será que a Igreja Católica ainda usa o amanita secretamente nos confins do Vaticano? Estariam eles realmente escondendo esta verdade fundamental por dois milênios, ou eles mesmos passaram a acreditar nos mitos que foram criados para comunicar e esconder a verdadeira identidade de Jesus Cristo? Assista este filme e tome sua decisão.

Farmaco- uma combinação significando droga, medicina, ou veneno usada na formação das seguintes palavras: farmacologia, farmacia, etc

-crat, significando regra, membro de um corpo de governo, ou defesa de uma regra particular, usado nas palvras compostas: autocrata, tecnocrata.Cf.-cracia

n. 1 uma investigação oficial, especialmente de natureza política ou religiosa, caracterizada por falta de respeito a direitos individuais, preconceito por parte dos examinadores e punições cruéis e imprudentes. 2. qualquer questionamento duro, difícil ou prolongado. 3. ato de inquirir, pesquisar. 4. uma investigação, ou processo de inquirir. 5. uma forma oficial ou jurídica de inquirir. 6. os resultados de inquirir. 7. o documento contendo os resultados de tal questionamento. 8. (cap) Igreja Católica Romana A. tribunal especial do passado, envolvido principalmente em combater e punir a heresia. Cf. Escritório Sagrado. B. ver inquisição espanhola.

Inquisição Farmacrática verb.

- A perseguição Cristã das religiões arcaicas baseadas na ingestão cerimonial de plantas enteogênicas e do consequente acesso pessoal a estados de êxtase; cuja primeira grande vitória foi a destruição dos mistérios Eleusinos no fim do quarto século; que então alcançou um clima grotesco na perseguição às bruxas na Idade Média; e que continua hoje em dia na forma do Estado Farmacrático disfarçado de saúde pública com a "Guerra as Drogas".

1994 Ott Ayahuasca Analogues, 12. Que a reforma enteogênica prevaleça sobre a Inquisição Farmacrática, levando ao renscimento espiritual da humanidade nos seios da Mãe Gaia, do qual poderá fluir para sempre a amrita, a ambrosia, a ayahuasca da vida eterna!

Fonte: The Age of Entheogens & The The Angel's Dictionary by Jonathan Ott (A Era dos Enteógenos & O Dicionário do Anjo, por Jonathan Ott)